quarta-feira, outubro 08, 2008

Eu, Olivette!



Bem,deixa apresentar a vocês uma velha amiga, ela deve estar com uns 15 anos.Ou mais!É leve, algumas vezes digitei com ela no colo no quintal de casa. Debaixo dos coqueiros, enquanto os cachorros lá de casa me olhavam ou dormiam nas tardes mornas de Natal.
Olivette datilografou e datilografa como um notebook,é portátil e tem um som hipnótico.Ela transformou minhas letras manuscritas em tipos e levou meu sonho além do quintal,da minha rua do meu mundo para o mundo de muitas outras pessoas.
Às vezes quando tiro ela da caixa, é a original, e toco as teclas, um mundo de lembranças me invade. Despretensiosamente ela absorveu palavras e sonhos.
Lembro do livro Alma e Sangue digitado numa caixa de madeira azul, onde guardava as folhas, tinha um cheiro engraçado de papel, grafite, óleo de máquina e imaginação. Todas viradas para baixo.
Antes de começar abria a máquina, organizava os dicionários, ligava o radio, e pegava as duas últimas paginas do livro, uma rápida leitura e a sinfonia começava.
Dicionário Aurélio, dicionário de idéias afins e papel. Corretivo, e caneta para passar a fita. Sim!Ela tem defeitos, às vezes a fita saia dos grampos e tem de por no lugar.
O resultado são dedos com manchas pretas!Mas ela não faz por mal, eu respeito sua idade e perfeição imperfeita.
-Tec,tec.- ela responde a cada pedido,a cada nova palavra e personagem.
Doce Olivette do meu coração. Te adoro!

2 comentários:

garcinha disse...

Huum.. essa história da Olivette lembrou-me o primeiro capítulo de "Alma e Sangue".. na verdade imaginei Kara digitando em uma máquina similar à Olivette. :D

Telma disse...

Deixa eu te dizer uma coisa: Eu tenho uma igual, com a mesma cor. Parece até a foto dela. Ganhei quando tinha 09 anos. Ainda tenho e terei sempre. Elas são perfeitas para nós, não são? rsrsrsrs. Ah, li o novo livro, com atraso( vergonha) mas li e AMEIIIIIIII. Quero mais. Eu até tinha me curado um pouco do vício Jan Kman, mas agora voltou com força. Eu quero Alma e Sangue 2. Bjs, Telma