terça-feira, dezembro 22, 2009

Novos conhecimentos.



O calendário da minha mesa não erra. Amanhã é véspera de Natal. Dia de a casa ficar com o delicioso aroma de peru assado e pastel. Eu gosto do Natal, não tanto quanto deveria, mas acho que o suficiente. Fica tudo mais lento e mais rápido. De preferência, evito sair de casa, pois as lojas estão lotadas. Faço compras bem antes.

A semana será mais curta e acho que é melhor assim. Estou me restabelecendo da gripe e ando muito cansada, um feriado me fará muito bem.

Principalmente no tocante à leitura e à escrita. Estou lendo um livro interessantíssimo chamado “Historia da Bruxaria”, de Jeffrey B. Russell e Brooks Alexander. Ele saiu pela editora Aleph, a mesma que lançou a série Alma e Sangue.

A meu ver, o livro é uma obra de arte em papel, impresso em papel Couché Fosco para que as ilustrações tivessem lugar garantido. Leio com cuidado, não quero amassar as páginas. Estou quase no fim, mas não aguentei e vim aqui dividir a experiência com vocês. Ele apresenta uma visão do que se caracterizou como bruxaria. Suas raízes, interpretações, a visão da Igreja, a caça às bruxas, os julgamentos, os erros e os crimes.

No capitulo seis, em que o autor trata do tema bruxaria e mulheres, observamos uma das pinturas de Goya – O Sabá, pintado em 1794-5. Goya, inclusive, foi perseguido pela Inquisição. Numa época em que tudo eram heresia e bruxaria, era difícil ser mulher, e não bruxa.

O que vemos é um grau assustador de ignorância humana, de perseguição e de chauvinismo. As mudanças sociais produziram mulheres solteiras, e elas, por não contarem com a proteção de um marido, pai ou mãe, acabavam na fogueira.

O livro fala de John Dee, o mago da corte de Elizabeth I. Ele desfrutava de liberdade e privilégios na corte, pois naqueles dias a bruxaria era algo aceitável. Uma fonte inesgotável de conhecimento não só para pesquisa, mas para que possamos entender o que é bruxaria e sua influência em nossa vida.

O livro não ensina a transformar ferro em ouro ou a fazer aquele sapo do jardim virar um príncipe encantado, mas ajuda a compreender que uma bruxa moderna tem celular e usa um computador.

Beijos mordidos.

2 comentários:

Roza disse...

Eu sempre compro os presentes com antecedência também, mas como tenho uma memória h-o-r-r-í-v-e-l, eu sempre esqueço o de alguém, aí lá vou eu novamente, enfrentar os tumultos nas lojas.

O livro parece interessante, admiro muito bruxaria em geral, então o colocarei na minha listinha de "livros para ler" - sim, eu tenho uma lista rs.

Tenha uma ótima quarta-feira, espero que esteja melhor do resfriado.

Bloody kisses

Nazarethe disse...

Oi Roza!Melhorei sim, parei de espirrar, a garganta melhorou e a voz voltou!Tb tenho uma listinha pre ler e comprar.ris.beijos mordidos!