quinta-feira, novembro 08, 2007



(Imagem de Vitoria Frances artisticamente alterada por Jean S.Kuri)


"Meus queridos amigos,este pequeno livro esta entre o livro Alma & Sangue, O Despertar do Vampiro I e II.É apenas um aperitivo,um desejo incontido de novamente estar com aqueles que amamos profundamente.Aproveitem,deixem seus recados,por favor,beijos Mordidos!"




Kara e Jan Kmam
Por
Nazarethe Fonseca
Todos os direitos reservados a Autora®

I Capitulo - Aprendizado


-Mais forte Kara!- Jan gritou irritado. -Está lutando e não tocando piano!
Jan Kmam andava pela sala, sondando meus golpes. Movia-me de espada em punho tentando me proteger de suas investidas rápidas, violentas, mas não conseguia fugir, defender-me com rapidez, era lenta, sentia as mãos doerem, sangrarem e quando cai no chão indefesa aos golpes de Jan Kmam, pela terceira vez ele me fitou com aborrecimento, mas estendeu-me a mão que recusei de imediato. Fiquei de pé e me coloquei novamente em posição de combate. Jan deu-me as costas e sem que esperasse voltou-se rapidamente em ataque, ergui a espada e tentei segurar o golpe, mas falhei e cai novamente.
-Não está pronta para enfrentar um combate simulado, quanto mais uma luta de verdade!-rugiu aborrecido. -O que tem feito Kara, por que não tem treinado?
-É só o que faço, treinar!-falei alto, ainda no chão, sem aceitar sua ajuda. -Eu sei me levantar sozinha. -disse empurrando sua mão vendo que se aborrecia.
-Não grite comigo. –avisou firme. -Quem está diante de você é o mestre, não o amante, não vou hesitar em punir você Kara.
-Eu estou fazendo o melhor que posso... -reclamou rouca.
-Mentira! Está lutando como um mortal. Levante-se do chão e lute como uma vampira que é!-ordenou me provocando.
-Estou usando meus poderes. -disse já de pé.
-Está apenas contendo meus golpes. Lute, invista contra mim. Você não vai me machucar Kara. -reclamou.
-Eu sei...!
-Mas não demonstra, Kara.-continuou cobrando.-Um ano e não sabe nada!-soltou indignado com minha falta de conhecimento. -Com o que sabe não tem condições de chegar à esquina sozinha. -ele rugia em francês. -A partir de hoje vai se alimentar, e voltar para treinar todas as noites. Acabou a folga!
-Que folga Jan Kmam?-cobrei soltando a espada no chão com força. -Desde que Otávio sugeriu as “aulas” você vem me torturando com isso!
-Ah!Então é isso!-ele conseguiu argumentos. -Não quer aprender porque foi Otávio que “sugeriu”.-se corrigiu, pois estava falando sem perceber em português.-Fale em francês, ou não fale. Afinal,é mais uma das coisas que tem de aprender.
-Merde!-soltei. –Vê,foi francês.
-Kara!Não seja atrevida. -avisou.
-É a verdade, você está me torturando porque Otávio quer.
-Otávio não tem nada haver com isso. Trata-se de sua segurança.
-Estou envergonhando você, Jan Kmam, é isso?
-Não Kara! -rugiu indignado. -Você precisa aprender para se defender lá fora, onde existem outros.
-Outros?Eu nunca os vejo, ou sinto. Por certo você me afasta deles. - desabafei. -Há algumas noites atrás vi Asti conversando com um vampiro a mim desconhecido. Assim que me viu, ela fugiu o levando consigo como se eu fosse uma “coisa”. Eles me evitaram... -reclamei magoada.
-Kara... -Jan chamou incrédulo, perplexo com minhas revelações.
-Seus “amigos” me desprezam, não sou bem-vinda, Otávio o quer só para si, sente ciúmes de nosso amor. -queixei-me.-Eles acreditando que a qualquer momento vou ferir você.-falei magoada. -Joga indiretas, me excluem, ignoram-me quando não está comigo.-minha voz sumia.-Asti me tolera para não magoá-lo, afinal ela o ama tanto quanto ama Otávio.-desabafava tudo que vinha sentindo naqueles últimos meses. -Nunca serei um de vocês... Eles me acham inferior, eu sei que sim. -disse rouca de raiva. -Sou um fantasma e só é real quando estou ao seu lado, lá fora não existo, morri!-solucei furiosa.
-Kara, o que está dizendo?-falou, me segurando impedindo que fugisse.
-A verdade que insiste em não ver...-disse com o rosto encoberto pelos cabelos.
-Olha para mim Kara.-ordenou com a voz pesada, soltando a espada para me deter com as duas mãos.-Você é minha mulher, eu te amo, quero o melhor para você. -disse ao ver meu rosto sujo com lágrimas de sangue.-Quero que aprenda a se defender, pois existem, sim, outros vampiros lá fora. E eles são como nós, perversos, cruéis. E você é doce e suave, quando vai se tornar uma vampira?-me perguntou envolvendo-me com carinho.
Recostei a cabeça em seu peito e chorei agarrada a ele, sentia-me confusa. E quando ergui a vista encontrei seus olhos muito azuis e dentro deles só havia carinho e doçura.
-A verdade é que todos os novos têm de aprender a se defender. -começou segurando meu queixo. -Eu estava negligenciando você, que me envolve e amolece com esse olhar negro. Domina-me com essas mãos pequeninas. -disse beijando meus dedos sujos de sangue. -Mas Otávio me corrigiu, lembrou-me de minhas obrigações para com você.- revelou segurando meu rosto aborrecido.-Má Petite, lembre-se do que lhe revelei, das coisas que tive de aprender para ir diante do Conselho, para ser aceito pelo rei.-ele olhou-me com preocupação.
-Lembro-me...-murmurei ainda sentida.
-Quero que seja aceita daqui a cem anos, que me encha de orgulho diante do rei, que seja a melhor, a mais bonita das vampiras.-dizendo isso beijou minha testa e continuou.-Em quatrocentos anos de vida jamais levei um pupilo diante do Conselho, você será a primeira, a única.-ele falou e suas palavras me fizeram tremer.-Será uma noite para lembrar eternamente, pois estarei conduzindo a minha escolhida, a filha de meu sangue, o sangue do favorito do rei.-seus olhos brilharam fascinados.-Tenho uma grande responsabilidade com você.-esclarecia.-E quando for testada tenho certeza que vai ser aceita.
-Eu...Eu não havia pensado nisso...-tomei consciência dos meus deveres diante de Jan Kmam, de seu mundo...Nosso mundo.
Fazia seis meses que havíamos mudado para o apartamento no Quartier Latin, que surgiu como indicação de Otávio.Na verdade, detestava a interferência dele em nossa vida. E desde então comecei a tomar aulas,que segundo ele me faria mais forte e tolerante.
-Sinto muito se o decepcionei. -segurava sua mão,olhava dentro de seus olhos. -Nesses últimos seis meses venho treinando, mas não consigo ir além, e Otávio...
-Kara não há decepção, apenas esqueça Otávio, ele não tem direito, ou poderes sobre você, enquanto eu existir, e como sabe, vou viver para sempre.-murmurou junto ao meu ouvido já me abraçando com muito carinho.Tocando meus cabelos, os cachos, cheirando-os com o olhar morno.
-Mas se algo acontecesse,quem teria direitos sobre mim.Já que sou “criança”.-quis saber curiosa.Jan demorou a responder.-Então?-falei preocupada, enquanto segurava seus ombros.
-Se algo me acontecer ele fica com sua guarda.
Kara estava atenta às explicações, curiosa por mais informações, no entanto, como de costume Jan nada mais revelou.Ele sabia que era cedo para tanto.
-Quem decidirá isso, como?-perguntei apreensiva.
-O rei decidirá, claro, ele pode determinar o contrário.
Enquanto revelava migalhas de um mundo de leis e regras Jan Kmam viu Kara preocupar-se docemente. Ela erguia as sobrancelhas, mordia os lábios. Mas a brincadeira perdeu a graça quando ao sondar sua mente e ouvir suas dúvidas sobre os demais vampiros, sobre o Conselho, o vampiro viu imagens e nelas a verdade! Como ela podia ver o salão do Conselho? Ele libertou sua mente delicadamente sem que ela sentisse e a tomou nos braços, afinal ardia de desejo, fome dela, do seu sangue. Kara o seduzia a cada novo minuto e gesto, com seus gritos, explosões. Intensa, impulsiva, forte, corajosa, teimosa. E ao mesmo tempo doce, suave, feminina ao extremo, a ponto de sufocá-lo com sua fragrância, o modo delicado como o tocava ainda tão mortal.
-Eu não vou morrer, ou sumir, acalme seu coração. -brincou.-Vai ter de me aturar por muitos séculos ainda, minha rosa.
Deixou seus lábios tocarem os seus delicadamente. E eles eram macios como pétalas de uma rosa, rosados, por vezes tão rubros banhados com seu sangue. A ouviu arquejar baixinho, o coração teimoso saltou no peito, vivo. Aos poucos foi fazendo pressão, a língua sondava a boca pequena e por fim o beijo surgiu intenso. Deixou que suas mãos percorressem suas costas, sobre a camisa branca. Para tirar sua atenção ela insistia em vestir uma calça negra. O tecido colava-se ao corpo esguio, pequeno e tudo que Jan ansiava era tocar suas curvas. Estava excitado, faminto e quando a ergueu nos braços, indo para o quarto a ouviu murmurar:
-A aula acabou?
-Sim, acabou, mas agora começa outra.
-Qual?-disse mansa, morna, fitando-o apaixonada.
-Como fugir de Jan Kmam.-brincou perigoso.-Pois não pretendo sair esta noite, não com tal ânimo.-murmurou mordiscando seus lábios.
-E quem disse que eu desejo fugir.
Kara respondeu atiçando um pouco mais.

Continua...

Cena do próximo capitulo

“__Kara?!
Jan Kmam largou o livro e antes que tocasse o chão segurou-me pela cintura. Meu grito o fez afastar as mãos imediatamente. Olhava-me confuso, preocupado.
__O que houve...?Você está sangrando! __disse fitando as próprias mãos cobertas de sangue.__O que aconteceu Kara?__estava apreensivo, tocou meu rosto.__Fale comigo, por favor.__pediu vendo-me agarrada a seu ombro e por fim fraquejar.”

9 comentários:

Brisa disse...

Nazarethe, antes de tudo MUITO OBRIGADA pelo gostinho que vc nos proporcionou com o primeiro capitulo da continuação do Alma e sangue!!! O livro promete!!!!MUITO BOM!!! E ainda por cima vc ainda deixou parte de outro capitulo!!!!
A ansiedade aumenta cada vez mais para lermos a continuação!!
Um beijo grande, novamente obrigada por fornecer uma pitadinha do livro, parabens pelo excelente estilo da sua literatura e sempre que puder nos mantenha informados :)

Nazaré disse...

Sabe meu nome também é Nazaré e me identifico muito com vc esse seu livro é puro ouro espero que vc continue assim, no orkut meu perfil é seu, desculpe por usá-lo sem sua permissão mais vc é demais.

Tais disse...

Nossa, me deixou com agua na boca e o gosto de quero mais é maior a cada dia... Muita curiosidade...
Esse livro facina muito e os personagens, Jan... Kara!! Enfim.. não vejo a hora de ler o Alma e sangue 2. Amei esse 1° capitulo, realmente esse segundo livro vai prender a atenção de todos, inclusive a minha.
Grandes bjus... Continue nos informando (se possivel).

Lusy Yoruichi disse...

Aaaaaaah perfeito..!!
Estou louca para ler a continuação do livro..!!

U.U' ai deus...

Já li o livro pela quarta vez..
e quem sabe daqui à alguns meses
eu o leia outra vez!
^^


Mas espero ansiosamente pelo 2!
Não demora mais a lançar o proximo!

=\

VOcÊ é demais.. amo seu livro, suas historias!
^^
Muito sucesso com o proximo livro!

^^

Robson disse...

Perfeito
wlew muito bom pensa que foi tão curto o primeiro capitulo so deixa agente com esse gsotinho de quero mais, e eu quero mais, vc vai lancar o alma 1/2 ou vamos fikar com ele so na net?? estou ancioso para ler o alma2 vc escreve muito bem adoro seus livros seus poemas. vc é10

talita disse...

"Kara" Nazarethe, estou maluca para ler o próximo capítulo!!!
vc sabe mesmo como nos deixar na vontade. hehehe
quando publicará o próximo capítulo?
Não esqueça de seus fãs ouviu? hihihi!!!
tomara que seja logo, ja roi todas as inhas unhas!!^^
beijos sangrentos

Daniel disse...

Aaaa
muito empolgante Naza...

Matei a saudades desses dois!

Jessy disse...

Adorei!!! Tinha esquecido como era bom ler seu livro ;) Nossa, que delícia! Quero mais! rsss

Marilia disse...

Adorei adorei!!!!
Como faço para comprar?? Estou totalmente estimulada a ler esse llivro que nos prende tanto!!!!