sábado, novembro 24, 2007

(Imagem aperfeiçoada por Eric Novello-Escritor)


"Meus queridos amigos,este pequeno livro esta entre o livro Alma & Sangue, O Despertar do Vampiro I e II.É apenas um aperitivo,um desejo incontido de novamente estar com aqueles que amamos profundamente.Aproveitem,deixem seus recados,por favor,beijos Mordidos!"



Kara e Jan Kmam
Por
Nazarethe Fonseca
Todos os direitos reservados a Autora®


Capítulo III – A Outra

Chegando lá vestiu somente o roupão de seda negra com impaciência. Não prendeu os cabelos, ou procurou os chinelos, continuou descalço. E quando entrei no quarto ele foi para a cozinha se servir de um cálice de sangue.Mas podia sentir seu olhar sobre mim enquanto me penteava.
-Kara?
Surgi à frente de Jan Kmam de camisola e roupão e vi o cálice estendido. O recebi e sob seu olhar atento o sorvi inteiro e com ânimo.Estava realmente faminta e quando pedi mais ele sorriu manso.
-Quer que conte uma historia e deixe a luz acesa, ou consegue e voltar para sua cama sozinha?-desdenhou provocando, afinal minha pequena “aventura” o perturbava.
-Não seja cínico. -soltei ofendida para deixa o cálice vazio sobre o balcão.
-Melhor que ser mentiroso.-rebateu risonho.
Fui para o piano e comecei a tocar uma pequena área de Mozart e o vi sentar no sofá e retomar a leitura, ainda era cedo, pouco mais de dez horas da noite.
-Está atropelando a música. -reclamou.-Mozart não expressa raiva, tente Wagner.
-Não estou com raiva, estou entediada.
-Por que veio para casa tão cedo...Ah!Desculpe-me, caiu do prédio, pombos, não é mesmo?-debochou,afinal sabia que se me pressionasse falaria.
-Pelo menos não volto de madrugada.-soltei ferina.
-Ciúme de minhas caminhadas Kara?
-Aprendi a perder.
-Que mal-humor!-queixou-se.
Fui para a janela e lá chegando à primeira coisa que vi o estranho observando o apartamento do prédio diante do nosso. Sentia-me acuada, e previ o pior, Jan Kmam certamente notaria sua presença, poderia enfrentá-lo.
-Vou me recolher.-disse ficando de costas para a janela.
Jan Kmam fitou a noite com interesse, e quando pensou em dizer algo o abracei e beijei longamente, e tentei puxá-lo para longe da janela. Mas ele acariciou minhas costas, puxando-me para junto.
-Juro. -murmurou manhoso junto à boca delicada. -Por um momento chego a acreditar que está na TPM.
Kara o empurrou e fitou a face risonha, seus olhos soltavam chispas de raiva. E ela reagiu como amava e odiava, tempestuosamente, o empurrou com força, e provocou uma reação exaltada de Jan Kmam, que a enlaçou e a forçou a encará-lo.
-O que aconteceu, porque está assustada? Já fitou a rua três vezes em menos de cinco minutos!-reagiu cansado de sua teimosia.
-Nada aconteceu... -insistiu com as duas mãos em seu peito.
-Fale agora Kara, ou vou sair por aquela porta e descobrir sozinho.-ameaçou.
-Há uma “coisa” me seguindo.-calei-me debaixo de seu olhar atento.
-Ele é sua Sentinela.-revelou a contra gosto.-Ele cuida de um imortal apedido de seu mestre.-revelou sem saída.-Mas pelo visto é um incompetente!Afinal você o viu.-reclamou indignado.
Jan Kmam havia contratado “alguém” para vigiar-me! A raiva cresceu, afinal há andava escondendo-me, fugindo de minha própria sombra e a culpa era toda dele.
-Traduzindo para sua língua, minha “babá”!-rugi aborrecida, frustrada. -Porque arrumou alguém para me vigiar?
-Como descobriu?-quis saber intranqüilo sem lhe responder.-Foi Asti? -perguntou indignado.
-O senti, ouvi seu coração...Pensei que confiasse em mim...Droga!-reclamei furiosa.-Mande ele embora. -exigi cega pela raiva.-Não quero que me observe, enquanto me alimento...
-Então é por isso que vem chegando cedo, insatisfeita, faminta?-era transparente diante dele.
-Não confia em mim, em meus poderes como vampira.-revelei frustrada.
-Trata-se de sua segurança...E minha tranqüilidade Kara.
-Sim!-exclamei de punhos cerrados ele me avaliava.-Não tinha o direito de fazer isso.-queixei-me desgostosa.
-Não precisa ter medo ma petite.-disse tentando tocar meu rosto delicadamente, mas o repudiei.
-Medo?-Não estou com medo, estou furiosa. -expliquei.-Porque não confia em mim Jan? -argumentei sentida. -Eu lhe dei motivos?
-E você?-rugiu com os dedos fechados sobre seu pulso.-O que a impediu de me dizer que era seguida?-cobrou, detendo-me.
-Tive medo de que fosse enfrentá-lo, lutar por mim novamente.
-Farei mil vezes se for necessário Kara.-garanti tranqüilo.-Luto tão ruim assim mon chérie, para que fique preocupada?-quis saber apertando-me junto a mim.
-Jan!-reclamei contrariada, o empurrando ressentida.
Baixei a cabeça sentindo-me fraca, incapaz de lutar contra ele quando me abraçava daquele modo possessivo. Ele gargalhou lépido diante de minha luta. E cobriu minha boca num beijo faminto. Sentia os lábios inchados pelo beijo voraz, o coração aos pulos, seu perfume, os cabelos junto a minha face.
-Pare de esquentar essa linda cabecinha.Eu sei cuidar de nós dois.-disse acariciando seu corpo sob a seda do roupão.
Kara estava furiosa, geralmente depois de um beijo sorria e desistia da briga, todavia continuava zangada e Jan Kmam não podia lhe dizer o que era uma Sentinela, o que aquilo significava como controlar seu gênio forte sem magoá-la, ou machucar seu coração?
-Se houvesse me avisado sobre está “vigilância” não teria caído... -calei-me tarde demais. Jan Kmam deu um passo à frente.
-Então foi culpa dele...?!Ele espantou os pombos?
Sem alternativas relatei a Jan Kmam o incidente e o vi aborrecer-se profundamente. Foi para o quarto e se vestiu de qualquer jeito e quando sentou para calçar as botas imaginei seus planos. Ele ia matar o tal Sentinela.
-O que vai fazer?
-Nada.-disse seco, mentiroso.
-Vai matar o tal “Sentinela” não é?-perguntei vendo mudo.
-Vou!Satisfeita?
-Não!-rugi-Estou farta de ser vigiada como uma criança. Mas se isso o deixa tranqüilo, que seja. -afirmei magoada, vendo já de saída.
Segunda Parte

Jan Kmam foi ao château do Coucher du Soleil.Era necessário esclarecer o incidente sofrido por Kara,a Sentinela falhou,algo estava errado, elas não costumam falhar ou se deixarem ver. O certo é que, Jan ficou quase três horas conversando com Togo e quando deixou o château não se sentia mais seguro que antes, providencias havia sido tomadas para a segurança de Kara,mas elas seria suficientes?Ele teria de esperar pelo melhor.
O apartamento estava silencioso, Kara dormia profundamente agarrada aos travesseiros onde havia algumas manchas, lágrimas. Ele sentou perto e a observou dormir como um anjo. E se perguntou como protegê-la sem que notasse? Como lhe falar de sua Sentinela, das exigências do mundo em que viveria eternamente? Kara estava mudando a cada noite, tornando-se mais forte, mais poderosa.
Deitou ao seu lado, ela resmungou algo e se encolheu no leito fugindo de seu toque. Jan Kmam apenas a recolheu nos braços e em segundos estávamos abraçados dormindo como todas as manhãs faziam.
Acordei e vi a noite completamente estabelecida através das grandes janelas de vidro. Às persianas de metal foram erguidas, estava nos braços de Jan Kmam, ele brincava com meus cachos, no leito desfeito. Tentei me afastar lembrando da briga.
-Espere.-pediu suavemente me detendo na cama. -Preciso me desculpar, pedir que me perdoe. -falou segurando sua mão.
Kara nada falou,apenas tentou se erguer novamente do leito.
-Há perdão para meus atos de vampiro apaixonado?
Sentei no leito, enrolada no lençol e o olhei demoradamente.A camisa rasgada, suja de sangue.
-Vou pensar.-afirmei, ele merecia que fosse dura com ele.
-Quanto tempo?-perguntou beijando seu ombro.
- Algum tempo...Um século talvez.-disse olhando seu rosto bonito, quase sorrindo.
-Kara!É muito tempo.-falou pondo-me debaixo de seu corpo.
-Jan...!-gemi rindo de sua brincadeira, o abraçando.
-Pardon ma petite.-gemeu esfregando o rosto no meu, os lábios.
-No, no Jan Kmam.
-Petite,pardon?
-Oui...
Duas noites depois do incidente com Kara,os passos de Jan Kmam o trairão,o levaram diante de sua casa.O portão estava aberto,cruzou o jardim tocando as rosas bem cuidadas, deixando que elas perfumassem seus dedos,as mãos.Parou diante da porta de madeira e vitrais.Fitou o pequeno gnomo aos seus pés e o ergueu para pegar suas chaves.
Entrou e tirou o casaco. A casa decorada com moveis e objetos simples, delicados dava-lhe um ar extremamente caloroso, confortável. Poltronas macias, almofadas bordas, tapete de algodão, vasos repletos de rosas brancas. No ar havia cheiro de camomila e incenso. Os passos de Jan Kmam o levaram ate o escritório pequeno bem iluminado.
Fitou a mesa organizada dentro do padrão de sua dona.Folhas,livros,canetas e blocos de anotações.O computador e não muito distante a maquina de escrever. Jan pegou as folhas que certamente estavam sendo digitadas e corrigidas e começou a ler,por fim sentou-se na cadeira.
Vinte minutos depois Alma surgiu no corredor que levava ao escritório,estava metida num roupão de seda bordado,os cabelos ocultos na toalha,descalça.Ela estancou ao ver o vulto no escritório e quase soltou uma exclamação de medo,mas sentiu seu perfume conhecido e entrou sem medo.
-Gosta?
-Sim.-Jan respondeu num suspiro conformado.-Esta perfeito Alma.-afirmou agrupando as folhas sobre a mesa,numa única pilha.-Quando leio tuas impressões me pergunto se não escreve a bico de pena.Tua literatura está dentro das vozes dos que viveram a séculos e tão atual quanto qualquer escritor deste século,ou diria,melhor.
-Você é suspeito de elogiar-me.
Alma já estava à frente de Jan, quando ele ergueu a mão para alcançar a toalha. Ela sentou em seu colo e esperou que os cabelos caíssem numa cascata loira sobre os ombros delicados. Inclinou a cabeça e esperou pelo beijo que surgiu numa carícia suave, delicada, mas ao mesmo tempo faminta. Jan abriu o roupão e observou a seda champanhe deslizar sobre a pele suave de Alma. A sentou sobre a mesa num gesto decidido já a despindo, deixando-a ficar sobre suas anotações, enquanto suas mãos passeavam por seu corpo nu arrancando-lhe sussurros, gemidos.


Continua...

Cena do próximo capítulo...


-Você brigou com Kara novamente?
Alma havia despertado,mas não se moveu,continuou em seus braços.
-É isso que pensa?Que só te procuro quando discuto com Kara?
-Apenas... Tive um pesadelo e os vi.
-Precisa dormir mais Alma. -Jan Kmam afirmou preocupado.
-Há muito a ser escritor,e o dia me parece muito curto,além disso,tenho pouco tempo.-Alma argumentou apoiando-se sobre o corpo nu de Jan Kmam.

11 comentários:

deise_meri disse...

E agora Nazarethe? O Jan esta traindo a Kara? Não acredito!!! Estou louca para lêr a continuação, qual será a explicação???
Aguardando ansiosa o próximo capítulo!!1
Bjs
Deise

Talita disse...

Caraca hein! Jan traindo a Kara!!!???? Num acredito!!! Caramba to super ansiosa pra saber quem é essa Alma!É humana? Nossa quero ler a continuaçao logo! Nao demore, por favor! rsrs
Beijoes
Talita

Telma disse...

Não gostei, de jeito nenhum o Jan pode trair a Kara. E ainda com uma loura? rsrsrs. Por favor Nazarethe nao deixa isso acontecer, se nao eu paro de ler.rsrsrs.Brincadeira, é claro, eu nao conseguiria. Bjs, Telma

marianna disse...

ah nao nazarethe!!!
eu pensei q o jan fosse diferente!!!!
ele esta agindo como um humano idiota traindo a kara!!!
nao posso acreditar...
ele me decepcionou...
e a kara tem q dewcobrir logo!!!!
to doida pra ler a continuaçao...
bjus

Helena disse...

Po, nazaretheeee
ah nao... Jan traindo Kara NAO dá! Ai ai, viu?
Agora a kara tem que trair kman também sahuashuashusauh
beijao!!!

ps: quero ler logo o resto!

thaine disse...

Aaaaiii Nazarethe....

Como que o Jan pode fazer alguma coisa dessas? Aaai que ódio, você não sabe quanta raiva estou dele ¬¬''

E agora estou formulando milhares de porques desses atos dele.

aheuhauehuaheuhauehuhaeuheu

Mas não precisa ter pressa em contar os porquês da história e tal, viu?
Escreva como escreveu o primeiro, uma história totalemente envolvente. :)

Parebéns, você é uma ÓTIMA escritora ^^
[vou confessar, Alma e sangue é meu livro preferido ;D]

thaine disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
{Petite} disse...

Coooooooooooooooooooomo assim? Kmam traindo a Kara? Naaaaaaaaaum creio em quem meus olhos leram! Ah, não! Eu mesma vou dar uma lição nesse vampiro que que nem mesmo 200 anos bastarão pra que ele esqueça! Huahuahuahuahua! Não acho que Kmam seja assim tão 'previsível'... É um vampiro de muitos séculos, deve ter uma carta na manga. :D

Gi-Chan ^-^ disse...

Nazarethe!!!
Parabéns... Eu só pude ler os três capítulos agora direto... Eles estão muito boooooons!!! ótimos!! Parabéns!!!
Ali´sa.. .Eu concordo com a Telma (se é que posso chamá-la só pelo nome sem ser atirada). Loira???? Pelo amor de Deus, uma loira não!!!
hehehheheheheh.
Mas, concordo... Se Jan trair a Kara ele deixa de ser tão perfeito!
Apesar q ainda acho ele imperfeito por não existir de verdade e não estar comigo...
Esotu brincando... Olha.. Eu preciso agradecer... Estava morrendo de desânimo e falta de inspiração... Mas, depois de ler isso, Minha inspiração voltou!! Não me sinto mais vazia!!!
ainda vou criar um blog para colocar o livro que eu estou escrevendo... Espero que possa me dar umsa dicas... Isso se não for abusar da sua boa vontade, claro...
Ah.. Bom, desculpe fugir do assunto, vamos voltar á ele...
Estou curiosa para ler o resto!!!!!
Quem é essa Alma??? Quem deu á ele o direito de chegar perto do JanJan?
Hehehhehe, só jogando umas questões para quebrar o gelo!

Beijos!!!!

P.S.: Espero ansiosamente pelo próximo capítulo.

Elisa Machado A. Corrêa disse...

Homens: Não importa a idade, sempre fazendo as mesmas besteiras. E assim não é possivel, Nazarethe! Jan era o meu herói! Será mesmo que até quando estou lendo, acabo me decepcionando com os homens? Tsc... Estou louca pelo próximo capítulo, afinal isso TEM QUE ter uma explicação! Rsrsrssss Beijos!

Viviane disse...

Puxa vida! Não acredito que o Jan está traindo a Kara!!! Como é que ele pode fazer isso com ela??? Mas aonde é que nós vamos parar se não podemos confiar sequer em Jan Kmam??? Ah! Esse mundo tá perdido mesmo!!!! Caramba, eu tinha o Jan na mais alta conta, tipo um herói mesmo e saber que ele está "esfaqueando" a Kara foi muito decepcionante ... snif! snif! Que cretino!!!! Esse vampiro merece umas porradas!!! A sorte dele é que eu estou longe, senão ele ia ver só, eu ia aprontar uma com ele, que ele ia levar bem uns 100 anos para conseguir começar a esquecer! Onde já se viu? Fazer uma sacanagem dessas com a Kara!!!
E de onde surgiu esta Alma? E ainda por cima loura, fala sério... E quem ela pensa que é para ir chegando assim e se atirando em cima de Jan, o pior, pelas cenas dos próximos capítulos é que ela sabe da Kara, a vadia! e ainda se presta a esse tipo de papel!!! Ficar consolando o Jan, quando ele e Kara tem uma briga, isso é papel que se faça! Revoltante! Não vejo a hora de ler o próximo capítulo, sim, essa gracinha do Jan tem que ter alguma explicação. E é bom ele começar a rezar para Kara não descobrir que ele anda despejando água fora da bacia, senão é capaz dela fatir ele em tiras bem pequenas .... e seria bem merecido! Olha eu sou apaixonada pelo Jan, mas fiquei extremamente desapontada com ele, pensei que ele fosse diferente ....