quinta-feira, novembro 13, 2008

Moeda rara.


A imortalidade é algo que não te dei. Tu não precisavas dela, já havia feito dela teu amante. Debaixo de tuas belas sobrancelhas negras ele vivia e era amado como um rei. Ou talvez como príncipe, para quem se dar um amor mais doce.
Dentro de teu olhar negro séculos de vidas alimentadas com sangue e morte.
E a cada beijo teu sucumbia minha pequena.Dava-me por inteiro para saciar tua fome e meu desejo de morte e dor.Tu eis a caçadora e eu a presa submissa. E em todos estes anos eu não acreditei ser tarde para deixar de te amar. Sempre haveria mais uma noite para os que jamais morrem.
E tudo corre num rio, em redemoinhos vermelhos como seus lábios.
Tenho-te aqui em meu coração, em minha carne em forma de mordida.
Incontestável você jamais me deixaria, pois corre em minhas veias no meu coração de vampiro e homem.

Um comentário:

Bruna Toledo disse...

Cara! Adoro esse quadro! Pena que me esqueci o nome E o pintor! D:

minha mente eh um buraco negro mesmo...

;*