quarta-feira, dezembro 02, 2009

Direto do meu quintal


Mudei faz alguns meses e logo que chegamos notamos um pé de pinhas, ou atas, como chamamos em São Luís. Maltratado, seco, precisando ser podado. Aos poucos fomos cuidando de tudo deixando a casa com cara de “nossa”.

A árvore se encheu de beleza, mas folhas e logo os frutos apareceram. Nossa, eu adoro pinha. Imaginem todos os dias eu debaixo da árvore observando elas crescendo.

Viajei, voltei e finalmente pude saborear um dos frutos que observei desde pequeno. Como posso descrever? Doce, arenoso, macio, delicioso.
Um prazer único para que aprecia a fruta. Resolvi dividir com vocês este grande pequeno prazer.

Nem sempre estamos atentos ao que cresce a nossa volta, ao que fica ao que vai. Na verdade eu olho, sou por vezes silenciosa demais, quieta demais. Talvez isso irrite e não seja atraente ou chame a atenção do sexo oposto, mas é da minha natureza.

Sentei na varanda e comi minha pinha. Ela veio direto do meu quintal.

Breve, fotos do jardim onde escrevo no sábado e domingo.

Beijos mordidos.

4 comentários:

Francisco Martins disse...

Que alegria e prazer nos favorece um quintal. Também tenho o meu Nazarethe. É meu pedaço de paz concretizado num chão.
Abraços

Contos Sobrenaturais disse...

Pela foto parece uma das minhas frutas favoritas... Só que a conheço pelo nome de Fruta do Conde. Já tinha ouvido falar dessa tal Pinha, mas não fazia idéia que era a mesma fruta. Legal! Um pé desse no meu quintal, eu faria uma festa. Divinas! Como uma caixa delas, se deixar. :D

Nazarethe Fonseca disse...

Oi Francisco, menino que saudade da turma,sem tempo de visitar vcs. mas qualquer dia apareço. beijos mordidos.

Nazarethe Fonseca disse...

É fruta do conde sim, é que conheço por Pinha e também Ata. Ela muda de nome conforme a região.estão super docinhas.Beijos mordidos.