quinta-feira, dezembro 17, 2009

Fugindo do Calor.



Natal é um lugar lindo, de clima tropical. Sabe aquele céu azul, aquelas praias de águas refrescantes e cristalinas? É Natal. Isso junto com uma brisa maravilhosa, perfumada com o aroma dos jambeiros, uma árvore local.

Algumas pessoas acreditam que moramos no paraíso, mas temos problemas como qualquer cidadão brasileiro. E o calor vem ficando cada vez mais intenso. Quando não suporto mesmo a temperatura, ando pelas ruas de guarda-chuva. É, temos alguns lindos de seda, coloridos, para evitar o sol.

Como passo a semana dentro de um escritório, no ar condicionado, na sombra, quando saio ao ar livre sinto o sol mais intensamente nos olhos e na pele, e fujo dele como se fosse uma vampira.

Escrevo em meu quarto, onde tenho minha mesa de trabalho, mas não é sempre que consigo ficar por lá. É complicado escrever em um local pouco arejado. E ventilador é o fim!

Então, no fim de semana escrevo no jardim, pois agora a tecnologia me ajuda. Esse é o cantinho que escolhi para escrever e não morrer de calor.
Dá para ouvir os pássaros, ficar em contato com as plantas, ver a tarde morrer lentamente e ainda encontrar inspiração. Engraçado, quando escrevi Alma e Sangue – O
Despertar do Vampiro, também trabalhava ao ar livre, mas não usava computador; na época, era maquina de escrever.

Quando decidi comprar meu computador pensei nisso, em um equipamento que eu pudesse carregar pela casa. Uma maravilha o laptop. Só teve um problema: não me adaptei ao teclado. Assim, aonde vou levo comigo uma porção de tralhas, teclado, mouse, pendrive. Sinto-me quase em Miami, talvez por isso tenha voltado a ouvir Peter Guja,
Jan Hammer. Eles e outras feras fizeram a trilha sonora de um dos seriados mais inovadores dos anos oitenta, Miami Vice, mas acho que não é da época de vocês. Enfim, estou trabalhando com muito prazer no Pacto dos Vampiros.

Beijos mordidos.

4 comentários:

Rafael Guerra disse...

hahaha praticamente um escritório ao ar livre^^

Karina disse...

Eu tenho uma aversão imensa ao calor - tudo bem que SP não chega aos pés do calor que vcs tem que suportar ai no norte. Eu sou branquinha e sofro com o sol, ficando vermelha como um tomate sempre que exposta a ele por mais de 30 minutos contínuos. Mas, não posso negar ser uma epoca feliz. Adoro acordar pela manhã e me deparar com os raios de sol invadindo a sala, o ceu azul e por aí vai.

Nazarethe disse...

É verdade, um dia de sol é maravilhoso!Eu ggosto, mas as vezes é insuportavel.Beijos mordidos.

Célia Costa (Celly) disse...

Nazarethe, soube sobre seu livro lá no blog da Herida e gostei muito do seu blog e suas postagens, parece que vc está aqui do meu lado falando essas palavras, estou curiosa para ler seu livro ( olha só a certeza de ser a sorteada, kkkk).
Também tenho imensa aversão ao calor, vivo dizendo aqui em casa que adoraria morar no Hemisfério Norte ou então ,na Serra, moro perto da Serra da Mantiqueira , no Vale do Paraiba em São Paulo, o calor é demais, impossivel andar nas ruas sem sombrinha, igual vc...fujo do sol também !
Estou linkando seu blog para não perder nenhuma postagem. Bjs e muito sucesso para vc !